domingo, 10 de fevereiro de 2013

1- Os Landim Luna



       
                                                   
                             1. Os Landim Luna

costurando retalhos dos LANDIM LUNA


POR QUE RETALHOS?

 Retalhos são lembranças. Um retalho solto é como uma ilha. Não comunica. Se juntarmos vários deles teremos um continente com seus segredos, seus encantos, seus mares, suas montanhas, seu solo único, seu modo próprio de ser.
A vocês, meus queridos irmãos e irmãs, filhas, genros, netos, netas, sobrinhos e sobrinhas, primos primas peço-lhes que juntem esses retalhos e os costurem com a linha do amor. Terão, então, uma linda colcha-continente onde poderão se abrigar nas noites frias. Terão, também, oportunidade de reviver, de ver, de rever com olhos novos, sem óculos, a preciosa família que formamos.
Uma Casa diferente, gente cuidando de gente

Há na vida, em família, acontecimentos que nos marcam e que deles nunca esquecemos. Nossa família, os LANDIM LUNA, teve o privilégio de ser guiada por duas pessoas lindas, em todos os sentidos: 


                                                Jesus Cruz Luna/ 1935
               
Papai,Jesus Cruz Luna, um apaixonado pela vida. Um homem risonho, bem-humorado, trabalhador, bom caráter, amigo, exigente no que se referia a sua família e ao trabalho. Sábio, lindo, ótimo dançarino, ótimo contador de histórias, amante da natureza, cuidadoso, caridoso, cristão na essência do termo, avesso à carolices, apaixonado pela esposa sem querer a ela se render, mas sempre se rendendo.                                                                                                                                  

 
                                                  Maria Iaci Landim Luna / 1935


Mamãe, Maria Iaci Maciel Landim ou Maria Iaci Landim Luna séria,concentrada, centrada, amiga, correta, bonita, de uma  beleza exótica, olhos amendoados. "Pavio curto", cuidadosa, cristã na essência do termo, caridosa sem carolices, devota de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, sábia, aberta ao novo, ávida por boas leituras, ótima ouvinte, pródiga em dar bons conselhos, amada por quem dela se aproximasse, amante das artes, sonhadora com os pés no chão, recicladora, antenada, crítica, mordaz, apaixonada pelo marido, ciumenta sem se dar conta...





Jesus, filho de Otoniel Vitório da Cruz e de Ângela de Luna Alencar

Maria Iaci, filha de José Batista Landim e de Bárbara Sobreira Maciel

Ambos, pelo lado paterno,descendem do capitão José Paes Landim.   Filho do Alferes Simão Rodrigues de Sousa e de sua esposa Úrsula Paes Landim, alagoanos.

Capitão José Paes Landim casado com Geralda Rabelo Duarte, filha do português do Bispado de Vizeu, Domingos Duarte e da baiana de Itapicuru de Cima, Ângela Paes Landim, é um dos pioneiros da colonização do Vale do Cariri, região sul cearense.  Donos de extensos canaviais, o casal fundou o afamado ENGENHO DE SANTA TERESA e é o tronco comum dos TERÉSIOS, as famílias: Cruz, Santana, Macêdo, Olegário, Saraíva, Ribeiro, Vasques, Luna e Landim.

Jesus e Maria Iaci são também da família Alencar. Ele através de sua mãe, Ângela de Luna Alencar. Ela herança do avô materno Francisco de Alencar Landim, dos Alencar de Pernambuco.

A avó materna de Maria Iaci, Francisca Sobreira Maciel era filha de imigrantes italianos e espanhóis.

José Batista Landim, primo de Padre Cícero Romão Batista, legou à filha o parentesco com o santo patriarca de Juazeiro do Norte.

Os Landim Luna são uma maravilhosa miscigenação de raças, culturas, sangue, modo de ser, de estar no mundo. 

Povos italianos, espanhóis, portugueses, alagoanos, pernambucanos, baianos, cearenses pensam, lutam, trabalham, falam, riem, oram, choram,dançam, cantam neles e com eles celebrando a vida.



Assim são os Landim Luna.


Dona Chica






·         ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU

Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.

·         Carlos Drummond de Andrade




  

3 comentários:

  1. Que coisa mais linda! que felicidade é SER LandimLuna

    ResponderExcluir
  2. Eita familia Lindaaa !!
    Ansioso pra conhecer mais e mais sobre essa Familia tão grande e querida !

    ResponderExcluir